NOTICIAS Principais Notícias Slides

ACIM ABRAÇA PROJETO DE CRIAÇÃO DO POLO DO CENTRO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL EM MARABÁ

A ACIM, representada pelo seu Presidente João Tatagiba e por outros membros da Diretoria, participou, na noite de ontem, sexta-feira (19), da Reunião de Sensibilização visando a instalação do Polo Territorial do Centro de Desenvolvimento Regional (CDR/PA), em Marabá, no Polo Carajás.

O encontro teve lugar no auditório da Tratorpeças, com a presença do senador Zequinha Marinho (PSC/PA), técnico da Organização Social BioTec Amazônia, representantes da Unifesspa, Câmara Municipal de Marabá, IFPA, Banco do Brasil e do Basa.

João Tatagiba, como anfitrião, abriu a reunião dando as boas vidas a todos. Falou do apoio incondicional da ACIM a todo projeto que seja para o desenvolvimento de Marabá e região e se colocou à disposição para servir de ponte com os órgãos púbicos e privados interessados em trilhar na luta desenvolvimentista.

O senador Zequinha Marinho também discursou e disse que a ideia de trazer os Centro de Desenvolvimentos Regionais para o Pará, surgiu a partir do momento em que ele observou que, em estados do Sul e do Sudeste do País, eles funcionam de modo muito eficiente e questionou: por que então não os implantar em território paraense?

Representantes dos demais órgãos e instituições presentes também abraçaram o projeto e se dispuseram a formar um grupo que vai trabalhar para a sua implantação e execução, tendo a parceria da BioTec Amazônia, que tem a expertise em elaborar esse tipo de projeto, e cujo diretor de Articulação Público-Privada, Sérgio Alves, detalhou sobre os CDR.

O que são os CDR?

Os Centros de Desenvolvimento Regional são estruturas flexíveis de articulação e gestão, criados por iniciativa do Ministério da Educação – MEC e gerenciados, em nível nacional, pela organização social Centro de Gestão e Estudos Estratégicos – CGEE. Têm o objetivo de mobilizar as competências disponíveis nas instituições de ciência e tecnologia regionais (Universidades e Institutos de Pesquisa) para, ao lado das forças políticas e sociais, pensar, fomentar, apoiar e viabilizar iniciativas empreendedoras, públicas ou privadas, localizadas nos respectivos territórios, tendo por fundamento o uso de saberes e tecnologias disponíveis e a geração de inovação de processos e produtos que contribuam ao desenvolvimento socioeconômico local.

Quem Participa?

Atores individuais e institucionais pertencentes ao universo científico, tecnológico, empresarial, jurídico, físico-ambiental e sociocultural, dentre os quais;

Instituições de Ensino Superior e Institutos de Pesquisa – ICTs;

Governos Federal, Estadual e municipais;

Micro, médias e grandes empresas;

Empreendedores individuais;

Organizações sociais do terceiro setor; etc.

Como funciona?

A partir de oficinas locais, é formado um fórum, composto por representantes das principais instituições de ciência e tecnologia e dos demais setores comprometidos com o desenvolvimento socioeconômico do território (poder público, empresas privadas, associações de produtores, organizações do terceiro setor, etc.), com o objetivo de selecionar, em Âmbito dos desafios do ambiente específico, uma carteira de projetos prioritários (de base científico-tecnológica), voltados à inovação, a serem financiados por agências de fomento habilitadas para tal finalidade.

O que é CDR/PA?

É o Centro de Desenvolvimento Regional – CDR, cujo objetivo é

promover nas 12 Regiões de Integração as articulações entre os

vários atores locais (científicos, políticos, empresariais, sociais),

de forma harmônica e sustentável, em vista do estabelecimento

de parcerias que conduzam ao sucesso dos empreendimentos de

base inovadora e resultem:

– No aumento da competitividade e sustentabilidade das

estruturas sociais e econômicas regionais;

– Na melhor apropriação social dos esforços de formação de

recursos humanos e de resultados das atividades de Pesquisa e

Desenvolvimento (P&D) e;

– Na melhoria da qualidade de vida das respectivas populações.

Tendo por foco de atuação o fomento da Bioeconomia e dos bionegócios, o CDR/PA terá a sua atenção centrada em propostas

inovadoras, de base científico-tecnológica, pautadas na geração

de novos produtos extraídos da biodiversidade regional.

Objetivos

Os principais objetivos do Programa são:

1) Identificar os atores locais que possam ter interesse com

o desenvolvimento do município;

2) Estabelecer acordo de cooperação entre o CDR e as

instituições locais; ICTs; Poder Público; Associações

Empresariais; Cooperativas;

3) Estabelecer o Fórum do CDR, elegendo áreas prioritárias;

4) Elaboração da Carteira de Projetos;

5) Busca de financiamento para os projetos construídos;

6) Apoio ao acompanhamento dos projetos financiados;

7) Avaliação dos resultados dos projetos implementados, e

mobilização de atores e instituições visando o

desenvolvimento regional.

Polos territoriais

1 – Um NÚCLEO CENTRAL DE GESTÃO E INTELIGÊNCIA, com a denominação de CDR-Pará, sediado em Belém, incumbido de:

(1) gerenciar o Programa na sua integralidade;

(2) atuar diretamente na Mesorregião Metropolitana; e

(3) coordenar todos os demais Polos Territoriais, criados dentro do Estado do Pará.

2 – Dez POLOS TERRITORIAIS, com sede nos municípios de Abaetetuba, Altamira, Bragança, Breves, Castanhal, Marabá, Paragominas, Redenção, Santarém e Tucuruí, todos devidamente articulados e supervisionados pelo Núcleo Central.

As interações entre a Equipe do Núcleo Central e os Agentes-CDR

dos Polos Territoriais dar-se-ão de maneira sistemática e contínua,

seja, rotineiramente, por intermédio de comunicação à distância

(como videoconferências, etc.), seja, eventualmente, de forma

presencial (desses agentes em Belém ou de membros da equipe

central nos polos da rede) – conforme as demandas específicas de

cada circunstância ou natureza da ação.

A infraestrutura de apoio local ao Agente-CDR será providenciada

através de acordo estabelecido entre a coordenação central do

CDR e alguma instituição do território (ICT, Prefeitura, Associações

civis, etc.), com fins de eliminar gastos de instalação e manutenção

desses polos – incluídos no acordo de cooperação a cessão de um

gabinete de trabalho, a disponibilização de um computador (preferencialmente), os serviços de limpeza e a conta de energia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *